08 novembro, 2007

Joceane e Joana


O Público de ontem traz uma história exemplar. António Lança de Carvalho, controlador aéreo, tem uma vida confortável e podia ser um bom crítico de café, à nossa boa maneira. Achou que podia fazer alguma coisa mais, nem que fosse um simples acto de alcance individual, nada de uma grande revolução. Mas é assim que se fazem muitas revoluções. Reservou 1000 euros para uma bolsa que permitisse a continuação de estudos a um jovem carenciado que, de outra forma, não poderia prosseguir para o ensino secundário. A junta de freguesia dobrou a aposta. Querem coisa mais simples mas tão importante para umas incógnitas Joana e Joceane da Escola Fernando Lopes Graça de S. Domingos de Rana, mesmo aqui à beira da minha casa?

Com base nisto, José Vítor Malheiros, director executivo do Público e meu caro amigo, tem andado hoje a desafiar amigos para a constituição de uma rede de dadores de bolsas deste tipo. Obviamente que não serão necessárias contribuições de 1000 euros, mas pouca coisa anual de muita gente já dá para muito. A minha modesta contribuição, para já, foi ampliar este apelo pelos meus amigos e agora também o faço neste blogue. Quem estiver interessado no projecto, que me mande um "mail". Depois se combinará o modus faciendi.

1 comentário:

Caiano Silvestre disse...

Achei a ideia muito interessante.

Vou pôr uma nota lá no "ACR de Santa Cita".