07 junho, 2007

Se o ridículo matasse...

Fico muito satisfeito por voltar a ler no Público, diariamente, o Fio do Horizonte. Em primeiro lugar, porque me agrada sempre a cura de uma doença grave, seja de quem for. Depois, porque há muito tempo que a sua leitura é um escape masoquista meu, com algum divertimento.

Hoje, o Eduardinho fala sobre as suas recordações infantis da feira do livro. Tinha ele 12 ou 13 anos, lá foi, iniciado pela mãe, recolheu muitos catálogos e passou horas em casa a estudá-los, para uma ida seguinte, então para compras. À cabeça, tão destacado que é o único desses livros de que se lembra, dos seus 12 ou 13 anos, "O Mito de Sísifo", de Camus.

O Eduardinho não tem mesmo o mínimo sentido do ridículo?

2 comentários:

Henrique disse...

Ele não quis dizer que pelos 11 ou 12 anos (no ano anterior) tinha lido «O Idiota» de Dostoievski. Em russo.

Kamikaze (L.P.) disse...

E só não disse A vida Sexual de Catherine M. porque se lembrou a tempo que só foi publicado em 2001