29 outubro, 2007

Low cost

Segundo uma notícia recente, depois dos voos low cost, agora os hotéis low cost. "Os hotéis são instalados em edifícios recuperados, nos centros urbanos, e terão entre 50 a 60 quartos com 13 a 15 metros quadrados e casa de banho individual. A limpeza dos quartos, muda de lençóis e toalhas de banho, e o acesso a televisão são considerados "extras" nesta filosofia de negócio e, por isso, terão custos adicionais. O preço por noite é de 35 a 40 euros, semelhante às tarifas praticadas pelas unidades hoteleiras low cost que o easyGroup tem em Londres, Basileia e Budapeste."

Pergunta essencial: também dá direito a papel higiénico? E porque não ir mais longe nesta onda de low cost? Já temos o Lidl e os restaurantes de fast food. Mas há muito mais possibilidades. Barbeiros low cost, de corte à tigela. Transportes urbanos low cost, em caixa de camião. Café low cost, feito com a borra do anterior. Escola low cost, em que a criança leva a sua cadeirinha. Cão low cost, perneta e zarolho. Humor low cost, do Herman José. Cervejaria low cost, com direito a mosca na cerveja. Amigo low cost para discutir futebol.

4 comentários:

Henrique disse...

Universidade low cost?... Não? :)
Já não há nada a retirar à Universidade?

JVC disse...

Comentário chato, obriga-me a pensar muito :-)

Henrique disse...

Universidade onde só se faz a inscrição e recebe o diploma. No caso de um ou outro professor mais exigente, a cadeira faz-se pelo telefone. Propinas reduzidas e diploma em papel A4, com assinatura e carimbo. Sobretudo, nada de livros.

JVC disse...

Tenho a impressão de já ter ouvido falar de um ex-estudante de uma universidade destas :-)