01 agosto, 2007

Gostava de conversar com ele


Ele é Frei Bento Domingues, que tem em mim, incréu, um leitor fiel, porque o meu lema é "nada do que é humano me é estranho". A sua última crónica dominical no Público é sobre ciência e religião. Nem se pense que FBD está ao nível do criacionismo ou de visões primárias de guerra entre ciência e religião. A sua abordagem é de outro nível e suscita-me reflexão, sendo eu cientista e agnóstico (escrevo isto por requinte de rigor, porque em pouco se distingue, na prática, de ateu).

A argumentação principal de FBD gira em torna do facto indiscutível de muitos cientistas acreditarem em Deus. É verdade, e principalmente no grande centro produtor da ciência actual, os EUA. Mas também é o país em que mais difícil é uma pessoa manifestar-se como não crente, um pais que escreve "In God we trust" até nas notas de dólar.

O argumento é muito frágil e só revela a constatação indiscutível das fraquezas e contradições humanas. Marx tratava mal Jenny, Einstein parasitou a mulher, Newton era alquimista e adepto de tudo o que fosse esotérico, Galileu acobardou-se perante a Inquisição. Isto quer dizer que há uma compatibilidade essencial entre a mentalidade científica e estas fraquezas humanas, mesmo que de grandes génios? Mais, nos tempos actuais, há muitos poucos grandes cientistas, há principalmente uma multidão de grandes, médios e pequenos artesãos da ciência, a quem não se pode exigir uma grande profundidade cultural e filosófica.

Questão muito diferente é a de se saber se a racionalidade científica é compatível com a mentalidade religiosa. A meu ver, não. Infelizmente, não é discussão que caiba no espaço ligeiro de um blogue. Mas bem gostava de conversar sobre isto com FBD.

1 comentário:

Jorge P. disse...

A propósito (acho eu), o cientista ateu militante :):
http://www.ted.com/index.php/talks/view/id/113

Abraço,
JP